domingo, agosto 27, 2006

Great American Glories (IV)

Numa rubrica como esta acho que toda a gente estaria à espera, mais dia menos dia, que aparecesse como ilustre convidado... o Esquadrão Classe A. É claro que, tratando-se de um grupo de ex-militares do Vietname, uma pessoa não esperaria muito deles no domínio da cultura geral. Mas sejamos francos: o Esquadrão Classe A não existe! É um programa que a Wikipedia insiste em classificar de culto que é escrito por pessoas comuns como eu ou qualquer um de vós. É claro, nos Estados Unidos, ser «comum» toma logo outras dimensões. Se eu digo a uma pessoa, com o objectivo de a intimidar, «és como o Luís XIV: és um alvo», ela pode ter uma das seguintes reacções: «Epa, a minha História já lá vai há um tempo, mas o Luís XIV não foi o rei que se fez rodear de um grande fausto e conseguiu dar à França um enorme prestígio na Europa? Rei Sol e tudo o mais? Ser o Luís XIV é mau?»; ou, sendo americano associas o único nome que conheces ao único evento francês que conheces de acordo com o seguinte esquema: França > Europa > Monarquias > Luís XIV > Revolução > Mortes > Decapitação do Rei: Oh, senhores, querem-me matar??? :'(

ML

Nota do Historiador: O rei executado como consequência da Revolução Francesa foi Luís XVI. Faz sentido a confusão dos argumentistas da série. Trocaram-lhes o sacana do número.

1 comentário:

teresa disse...

Nos meus tenros anos, o Esquadrão Classe A era uma realidade bem palpável, passava todos os dias, depois da hora do lanche.. e nada de versões originais (A-Team), leváva-mos com a versão dobrada e não morreu ninguém por causa disso. E para os da minha idade, sim, era quase um série de culto e tenho orgulho em dizê-lo. Quem é que não se lembra com carinho desses episódios e da mítica frase célebre "Adoro quando um plano dá certo!", hein?? ;/