domingo, julho 16, 2006

Great American Glories (III)

Ok, então quantos de vós tiveram oportunidade de ver esse fantástico filme que ontem na SIC acerca da angústia, da desilusão pátria de um grupo de operativos da URSS com o seu país? A intrincada e complexa, contraditória, quem sabe, rede de sentimentos que reflui do desânimo que forma de um ideal destroçado... Chamava-se Triple X, creio, e era protagonista esse colosso do cinema estado-unidense chamado Vin Diesel. Ou, como dizem os espanhóis, Vin Diesel. Bem, o que me trás aqui hoje, nesta rubrica, é o seguinte. A dada altura o mau da história vai lançar um vírus muito mau que vai matar muita gente e vai lançá-lo numa maquineta... bem, acreditem que os contornos da história são irrelevantes. A questão é que o vírus se chama «Ahab». Não sei porque se chama Ahab, porque mesmo numa tarde desocupada como a que tive ontem, entre o Triple X que eu nunca tinha visto e as reposições do Stargate no AXN, bem, acho que a escolha é óbvia. Enfim, para encurtar a coisa: o vilão mantém uma postura anarquista, anti-muita coisa, obviamente anti-globalização. É russo! O que é que leva um tipo destes a escrever o nome do vírus com o alfabeto latino e não em cirílico?!

ML

6 comentários:

CP disse...

porque o alvo do missil mau não sabe ler cirílico?

CP disse...

ahab é um personagem de Moby Dick...acho eu...

Carapaus com Chantilly disse...

O Capitão do navio? Pois é. Arrrrr!!!!

ML

H disse...

Mas continua a não fazer nenhum sentido

CP disse...

mais uma referência à globalização e ao mesmo tempo à estrutura educacional russa que põe os meninos (mesmo os maus) a ler grandes obras da literatura :)

Navegante da Rua disse...

Pá, eu assim de repente Triple, Triple... só me lembro mesmo do Triple H. Que por acaso agora até se voltou a juntar com o HBK. E assim, qual fénix renascida das cinzas, voltaram os DX. eheheheh