sexta-feira, maio 18, 2007

A Idade da Inocência

Não posso deixar de me comover com a seguinte cena: em plena Loja do Cidadão, um pai emerge da multidão, levando o filho pela mão. Detendo-se ambos defronte a máquinas das senhas, pergunta o pai ao filho: «Consegues chegar ao botão»?

Oh, quão bela a Idade da Inocência...!! A inconsciência e confiança naturais no carregar imediato de um simples botão... Quão distinto de um adulto... que demora uma eternidade a olhar para o aparelho... ciente que um pulsar em falso traz consigo a maldição de uma espera interminável que o conduzirá ao balcão errado... e de volta aos botões...

ML

4 comentários:

CP disse...

por breves momentos pensei que o filho estivesse numa cadeira de rodas e dai a pergunta do pai...

Betty Coltrane disse...

Que pensamento positivo, eh, cp... hehe!!

Sim, quando sou obrigada a deslocar-me a essas antecâmaras do inferno, como gosto de me referir carinhosamente ás repartições em geral, sinto sempre uma certa inveja das criancinhas que por lá brincam, enquanto os pais destilam preocupações.

E, oh a raiva, quando finalmente chega a tua vez e... ´"ó menina, não sabe que para isso é a senha A?!" "Não, não sei seu *************************, se soubesse não tinha tirado a B!!!!"

;)

Arya disse...

por razões que agora me são desconhecidas, lembrei-me de outra coisa que envolve um outro tipo de botões, purple nurple.

Teresa disse...

Quando eu era pequena o meu pai dizia-me para escolher os numeros do totoloto.. parece que era menos mau se fosse eu a errar.. e eu escolhia-os, toda contente, sem hesitação! Mas que medo é esse que os adultos têm de tomar decisões tão... básicas?


(CP.. esse bicho é nojento.. argh!)