domingo, maio 06, 2007

Pá, telefonamos aos gajos a dizer o que aconteceu ou não? E já agora, apetece-te patrulhar a fronteira?

Uma fonte da GNR, responsável por esta fiscalização, referiu hoje que a fronteira entre os dois países não tem tido controlo 24 horas por dia, uma vez que isso “seria contraproducente para o sucesso da eventual captura do suspeito”, anulando o “efeito surpresa”. A mesma fonte adiantou ainda os que os períodos das operações stop na ponte do Guadiana estão a ser conjugados com acções similares, noutras estradas da zona, entre elas a Via do Infante.
Durante o dia de ontem foi ainda possível apurar que apenas na manhã de sexta-feira - quase 12 horas após o desaparecimento da menina – é que o SEF foi informado pela PJ do rapto. Durante este período de tempo qualquer pessoa que tivesse raptado a criança, podia atravessar a fronteira de carro sem qualquer tipo de obstáculo.
Uma actuação algo bizarra, uma vez que segundo fonte policial, o procedimento neste tipo de casos obriga a que a PJ alerte de imediato o SEF, principalmente se o desaparecido for estrangeiro. Coisa que manifestamente não aconteceu.
in EXPRESSO Edição On-Line 06/05/2007
(Negrito e Itálico nossos)

Esta coisa do efeito surpresa é interessante. Segundo percebi não vale a pena patrulhar a fronteira porque elimina uma possibilidade de fuga ao raptor, eliminando também o "efeito surpresa", ou seja a "surpresa" que o raptor iria ter caso quisesse fugir atravessando a fronteira. Mas neste caso, não patrulhando a fronteira, não estará este "efeito surpresa" do lado do raptor? Parece-me também que as diversas agências estão demasiado preocupadas com este fenómeno da surpresa. A GNR não quis perder o "efeito surpresa" mas está-se a ver que (infelizmente) já foi "surpresa" pelo raptor. A Polícia Judiciária preferiu "surpreender" o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras não emitindo o alerta atempadamente e o SEF por sua vez prefere não "surpreender" ninguém fazendo o que faz melhor: nada.
Caros progenitores da criança: SURPRESA! E já agora, bem vindos a Portugal.
CP

5 comentários:

Arya disse...

e se a carreira na polícia não der certo, podem sempre trabalhar numa empresa de organização de festas aniversário.

Betty Coltrane disse...

Muahahahahahahahaha..... (riso diabólico)

Sem comentários. Estúpido demais. Vou ali enterrar a cabeça de vergonha e já volto!

CP disse...

Arya: Right on the money girl.

Betty: Não me parece ser motivo de vergonha. A palermice BRUTAL a que se assistiu nestes dias é que dá vontade de enterrar a cabeça, não só devido ao nível de palermice que as autoridades conseguíram alcançar mas também à atitude "inteligente" dos senhores que deixam uma criança sozinha numa casa que, segundo li, estava completamente aberta e vão almoçar nas calmas.
Caraças, sou o primeiro a admitir que não gosto de estar a comer e a ouvir os berros das criancinhas mas deixá-las em casa feito animal de estimação que não pode entrar no restaurante...

Betty Coltrane disse...

Sim, nisso tens razão - e é logo o primeiro pensamento que vem à cabeça... Mas a sério que a história das operações por turnos me deixou de boca aberta... Não tem lógica! Qual é a probabilidade de o raptor passar pela fronteira exactamente na hora em que a polícia decidiu lá estar? ...

Enfim...

Carapaus com Chantilly disse...

Betty: É a surpresa que o raptor vai fazer aos agentes. "Surpresa! Passei a fronteira!"
CP