segunda-feira, maio 08, 2006

Carta a João Pedro Pais

Caro João Pedro Pais

Venho por este meio apresentar um sincero e sentido pedido de desculpas. Sempre gostei de brincar com as tuas interessantes letras, em especial com o modo único e sui generis como consegues fazer rimar palavras que, à partida (ou lidas em portugês correcto como preferires), não rimam mas às quais tu consegues dar a volta através de alguns (esforçados) exercícios de ginástica linguística. Nunca peguei muito nas melodias e isto porque não têm muito por onde pegar não é?
A verdade é que hoje sei que não fui correcto contigo e menosprezei o teu talento. Ok talvez a segunda parte seja um exagero mas não fui realmente correcto contigo. O que aconteceu para eu chegar a esta conclusão chama-se "Ronaldinha" e sim, refiro-me mesmo à irmã do futebolista Cristiano Ronaldo. Num momento pseudo-pseudo-pseudo-pseudo-musical único, esta jovem conseguiu fazer com que eu sentisse uma enorme inveja de todos os surdos existentes no nosso país e digo-te que nunca estive tão perto de enfiar um lápis nos ouvidos só para conseguir parar de ouvir aquilo a que apenas posso descrever como: o pior, mais grotesco e horrendo grunhido de bicho que alguma vez existiu.
Depois de ter sido submetido à "tortura Ronaldinha" meu amigo (sim, julgo poder chamar-te assim) digo-te apenas isto: não só as tuas letras são geniais como os teus dotes vocais ultrapassam em muito os desta jovem, cujo maior triunfo será sempre o de ser irmã de outra criatura algo "grunhenta". Mas ao menos o Cristiano é nosso amigo e está caladinho a maior parte do tempo. Pena não se poder dizer o mesmo da irmã!
Assim sendo peço-te imensas desculpas por ter sido tão incorrecto contigo. Realmente depois do fenómeno Zé Cabra fiquei em falta para contigo e bem que te podia ter dito "Desculpa lá pá! Era a brincar!" mas a verdade é que o Zé Cabra chegou onde chegou por pseudo-mérito próprio e assim sendo ainda tem algum valor. Quanto a nós, podemos ficar assim: tu continuas a escrever as tuas "rimas", eu continuarei a fazer pouco delas e dou-te permissão para dizeres que é inveja. Como prova da minha enorme estima por ti aqui te deixo algumas rimas que podes usar à vontade:
  • "Vez - Mês - Pés - Chulés - Molho Merenguez "
  • "Trapezista - Malabarista - Accionista - Camionista - Contabilista - Hermafrodista"
  • "Cometa - Coiseta - Musicaleta - Perneta"
  • "Janela - Panela - Bobadela - Monta Nela"
Epá diverte-te!
CP

16 comentários:

wasted blues disse...

O que eu me ri agora! :D

Ainda não ouvi a dita "Ronaldinha" - é mesmo o nome dela ou é a reboque do irmão?

Karrocel Magico disse...

CP, pá...acho que voçê deve-lhe um pedido de desculpas mais formal, o rapaz merece-o!
Não é o facto de ter uma cabeça grande demais para o tamanho do corpo que o torna mau profissional...
Nem o facto de ter ar de quem está à rasca para defecar que o torna menos glorioso...
Vá lá CP, seja condescente...

Anónimo disse...

Não faças o home sofrer mais...

Carapaus com Chantilly disse...

Wasted Blues - Para o quadro se tornar ainda mais deprimente, era interessante que o nome dela não fosse de facto Ronaldinha. Mas pode apenas ter sido falta de originalidade paternal!

Karrocel - "João Pedro! 'tás a ver? Não sou só eu! Eu sempre te disse que tens uma cabeça ENORME pá!" Muito obrigado Karrocel! O que eu sofri até hoje...muitos telefonaemas a altas horas da noite do João a chorar e a gritar "Não tenho nada a cabeça grande! É mentira!! Mentiiiiiiiira!!" - Aqui entre nós, foi a partir dessas conversas que ele tirou a ideia para o seu hit single.

Anónimo - E o que ele me faz sofrer não conta?
CP

$M!L€ disse...

Tortura Ronaldinha... Não podias ter feito uma melhor descrição!

=)
http://tascatimanel.blogspot.com/
http://omeureduto.blogspot.com/

Anónimo disse...

Confirma-se que o quadro é de facto deprimente: Ronaldinha é apenas o nome pseudo-artistico da pseudo-pseudo-pseudo-artista!!!

Carapaus com Chantilly disse...

É um dia triste para todos nós nesse caso!
Anónimo - Admiro a tua coragem. Admito que eu tive demasiado medo de ir procurar essa informação...não fosse a "homepage Ronaldinha" ter som!
CP

Zeca disse...

Será que o Alberto João tb tem uma irmã? Se a moda pega na Madeira ...

Amir disse...

Realmente, há quem grunha muito bem... Mas nunca se deve por de lado a hipotese de que, no momento em que estavam a "cantar" podia estar alguem a apertar-lhes os calos, dái ter saido aquele som...

Baci

ana lúcia disse...

LOLLOLOLOLOLOL!!
Que tal uma canção com estas belas rimas e gravá-la em podcast??

Carapaus com Chantilly disse...

Zeca - Se a moda pega teremos a "Alberta - A Nova Rainha do Carnaval!"---pelo sim pelo não bate na madeira pá!
CP

Carapaus com Chantilly disse...

amir - epá...realmente alguma coisa lhe devem estar a apertar, não fosse o nome "Ronaldinha" e eu poderia jurar que seriam os testículos, porque para grunhir daquela maneira acho que pisar os calos n chega!
CP

Carapaus com Chantilly disse...

ana lúcia - Infelizmente falta-me o talento e a genialidade. Tal como disse, deixo estas singelas rimas com a esperança que o génio lirico de joão pedro pais nos possa mais uma vez voltar a surpreender e a dar algumas lições de dicção :D

Anónimo disse...

Não percebes a pequena, pá! Afinal os grunhidos estão na moda. Ouve só o novo single de James Blunt a passar agora na rádio... esse tb é realmente deprimente. Deve ser o João Pedro Pais lá do sítio lolololol

Carapaus com Chantilly disse...

O james Blunt é um ser criado num laboratório na Musgueira que faz experiências com o ADN. Aparentemente misturaram o ADN do João Pedro Pais e de um bovino e foi o que saiu. Depois numa tentativa de ganhar algum $, a criatura com o nome de código "João Bov" foi vendido a uma empresa discográfica norte-americana, Esta empresa não entendendo (felizmente) o nome atribuido à dita criatura mudou-o para James Blunt, "blunt" que quer dizer "rombo" ou "objecto sem ponta" o que de facto é uma alteração a notar visto que ao menos "bovino" sempre lhe dava uma conotação máscula...mas realmente com aquela voz talvez até nem tenha sido má ideia!
:D
CP

Anónimo disse...

Existe uma coisa no João Pedro (se me permitem, é que é quase um íntimo para min) que não vejo em mais nenhum artista nacional, é que o rapaz quase que chora quando canta! é notável o seu ar sensibilizado e pesado (em estilo épico), faz-me lembrar que leva com os pés de todas as donzelas que passam na rua! (não posso mais...)